quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Adeus a Billy Taylor


Em homenagem ao compositor e músico de jazz Billy Taylor que partiu ontem aos 89 anos, a inspiradíssima versão de Nina Simone para sua canção mais conhecida, I Wish I Knew How It Would Feel To be Free. Grande som, Billy.

Papai Noel existe

Ainda contagiado pelo espírito natalino, o Boston Globe publicou uma série de fotos espetaculares do natal pelo mundo.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

O mico natalino de Guerra nas Estrelas


Há muito tempo, numa galáxia distante... Guerra nas Estrelas pagou um mico pavoroso, maior que o próprio universo. Em 1978, o canal CBS resolveu pegar carona no mega sucesso do primeiro Star Wars e levou ao ar na TV americana The Star Wars Holiday Special. Um especial de natal tão ruim que qualquer filme da nova trilogia com Jar Jar Binks seria considerado um épico. 


Só a sequencia inicial com a família do Chewbacca grunhindo, sem diálogo, por mais de 10 minutos são a prova de que não estou exagerando, é uma merda mesmo. Fora isso, tem números musicais chatérrimos e várias piadinhas constrangedoras. Prato cheio pra quem gosta de trash movie.

domingo, 26 de dezembro de 2010

A nova polêmica do Lobão



O eterno rebelde da geração 80, João Luíz Woerdenbag Filho, também conhecido como Lobão, que já cantou sua vida louca aos quatro ventos, agora conta a loucura em detalhes. Está tudo nas 752 páginas da biografia 50 Anos a Milescrita por ele em parceria com o jornalista Claudio Tognolli, na qual o artista passa a limpo na entrevista abaixo.





O livro da Nova Fronteira, considerado o maior escrito sobre um roqueiro brasileiro, já figura entre os mais vendidos do ano. Nele Lobão relembra a infância problemática, sua participação na cena cultural dos anos 1980, o envolvimento com as drogas, a tentativa de suicídio e a recente retomada da carreira na televisão. Entre as passagens mais polêmicas, conta quando cheirou cocaína em cima do caixão de seu amigo, o jornalista Júlio Barroso, e também sua breve participação no Comando Vermelho. Isso é que é loucura.



sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

O paradoxo de Laerte


De um ano pra cá, a vida pessoal do cartunista Laerte tem chamado mais atenção que seus quadrinhos. O motivo está no seu comportamento, que anda mais feminino. Laerte está usando vestido, lingerie, salto alto e pinta as unhas. Porém, afirma que isso não afetou sua masculinidade, tanto que tem uma namorada. Para entender melhor essa confusão de gêneros, só lendo a entrevista que ele deu à Trip.

ET Bilú no SuperPop



Essa semana, o ET Bilú voltou a aparecer na TV. Dessa vez ele foi no SuperPop da Luciana Gimenez, e até os participantes do programa, com nível intelectual próximo ao de uma ameixa, suspeitaram da conversa contada pelo tímido extraterrestre adolescente. Mas Bilú não se abateu e deu seu recado. Com voz de pato e dentro da moita, ele disse: "temos produtos para prolongar a vida da família."  ET brasileiro só podia ser 171!

Queen não perde a majestade


A edição de dezembro da revista inglesa MOJO traz uma reportagem especial sobre Freddie Mercury. O carismático líder do Queen, um dos maiores vocalistas que o rock já teve, é descrito como um sujeito tímido. Sua transformação se dava no palco, diante de milhares de pessoas. No site há uma seleção com alguns dos melhores momentos de Freddie.

Um deles aconteceu em 1985, no Live Aid, evento beneficente para ajudar as vítimas da fome na Africa. Mercury reinou naquela tarde no estádio de Wenbley, Inglaterra, no que é considerado o melhor show de rock de todos os tempos. No mesmo ano ele voltaria a exercer sua realeza no Rock In Rio, fazendo um show memorável para uma multidão de 100 mil pessoas.



sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

"Hover Hand"


Hover Hand, numa tradução livre, é a mão que paira no ar. Dito assim soa sem sentido, mas veja a foto. Os americanos criaram o termo para definir o que é considerado um detector instantâneo de virgindade. O sujeito tem tanto medo de mulher que nem tem coragem de encostar. Coitado dos nerds! Tem mais aqui.

O livro que abalou o mundo


John Reed, considerado um dos melhores jornalistas do século XX, viveu pouco, só 33 anos, mas foi tempo bastante para entrar na história. Fez isso ao escrever "Dez dias que abalaram o mundo", uma reportagem impressionante sobre os dias que antecederam a Revolução Russa.

Com a obra, Reed também inaugura a grande reportagem no jornalismo moderno. Agora a Companhia das Letras e a editora Penguin lançaram mais uma edição do livro, trazendo um apêndice com notas e textos de panfletos, decretos, ordens e resoluções dos principais personagens e grupos ligados à revolução.

Espremido no metrô de Tóquio

O colorido emaranhado aí em cima não é uma tabela química ou sequência genética. Trata-se do metrô de Tóquio, o terceiro maior do mundo e um dos mais antigos (funciona desde 1927). Duas empresas operam nas treze linhas que cortam a cidade em 286,2 km de trilhos. Mas apesar de toda organização, andar nele é torturante como o inferno.

Esse sofrimento foi captado pelas lentes de Michael Wolf num ensaio que virou livro: Tokyo Compression. Tem mais foto no site dele.

                                            


quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Lennon em NY

Em comemoração aos 30 anos da morte de John Lennon, o GNT exibe Lennon NYC, documentário inedito na TV, que passou por aqui no Festival do Rio, e conta a passagem do ex-Beatle pela Big Apple. Dividido em duas partes, o filme mostra a importância da cidade para o casal Lennon e Yoko, desde sua mudança para Greenwich Village até o dia do assassinato do músico, no Upper West Side.

Lennon foi para NY em busca de sossego. Seu maior desejo era ter uma vida simples. Queria ir ao cinema, restaurante, sair com seu filho Sean, o que seria impossível em qualquer outro lugar do mundo.

Diferente de outros filmes que tratam do ídolo, Lennon NYC possui vasto material inedito. Um dos momentos mais marcantes é quando mostra sua mudança de vida após o nascimento de Sean. Para cuidar do filho, Lennon se dedicou totalmente ao lar, como uma dona de casa. Abandonou os palcos e estúdios e mal sabia o que se tocava na rádio.
 
Numa passagem, Sean, com 4 anos, cantarola "... do you need anybody. I need somebody to love", uma velha canção dos Beatles, e pergunta ao pai se era ele que cantava. Lennon explica que a voz era de Ringo, ele e George fizeram o coro, mas não lembrava o nome da música. Com esforço lembrou: "É With a Little Help From My Friends." Aquela altura, Sgt. Peppers já era um sonho distante. 
A reprise passa sábado, dia 11, às 17h45.
 

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Complexo do Alemão News

Num furo de reportagem, The Piaui Herald descobriu o único jornalista que não comparou a incursão da polícia no Complexo do Alemão com o filme Tropa de Elite. Para desespero de todos os colegas que fizerama cobertura, ele nem se tocou!
Ainda na mesma edição: as dicas da consultora de moda Glorinha Kalil para os melhores coletes a prova de bala dos telejornais. A Piauí matou a pau!

domingo, 28 de novembro de 2010

Será o fim dos jornais?


Com o avanço dos veículos online e das novas mídias, a tendência é que os jornais impressos caminhem para a extinção. Na busca por novas saídas, o design pode ser a salvação. A palestra do designer Jacek Utko no TED trás boas sugestões para o debate.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

'Caballeros' do Zodíaco


Cavaleiros do Zodíaco, desenho febre no início dos 1990 na telinha da Manchete, até hoje guarda uma legião de fãs. Nesse vídeo, hermanos chicanos provam que a paixão pelas aventuras de Seya não morreu.

Trilha da polícia

Shaft, o tira mais 'motherfucker' do cinema, fez a cabeça de muita gente. E a trilha sonora, assinada pelo papa do soul/funk Isaac Hayes, se tornou um clássico. Aqui Hayes faz um show inspirado. As cenas são do documentário Wattstax, de 1973. 

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Mãos ao alto!


Essa é do tempo que ladrão só roubava coração. Mãos ao Alto, do Fevers, música mais que perfeita para dias em que a bandidagem se manifesta na cidade.

sábado, 20 de novembro de 2010

Paul na primeira vinda


McCartney, em 1989, numa entrevista com Pedro Bial para o Fantástico.

Todo dia é dia de Jorge Ben


Jorge é o cara! Registro de sua melhor fase, época do álbum Tábua de Esmeralda. Fodástico.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Bebel Gilberto antes da fama

Bebel Gilberto, na flor de seus 14 aninhos, cantando com a mamãe Miúcha, muito antes de se tornar uma das principais vozes femininas da música brasileira no exterior. Notem que ela nem sabia segurar o microfone.

Silvio se fazendo de santo

Vale o registro: em entrevista recente, Silvio Santos (ele de novo) conta tudo para Mônica Bergamo da Folha de São Paulo. E não diz nada com nada.

O senhor votou nela (Dilma Rousseff)?
Eu estou com 80 anos. Você acha que eu vou sair de casa para votar? Vou votar é em mim mesmo aqui em casa.

E aquela história da bolinha [reportagem do SBT afirmou que o candidato tucano, José Serra, foi atingido, numa manifestação, por uma bolinha de papel, e não por um objeto mais pesado, como ele dizia]? Todo mundo está falando que o SBT fez a reportagem porque estava com problema no banco.
Mas que bolinha?

A bolinha que caiu na cabeça do Serra.
Caiu alguma coisa na cabeça dele? [risos] Caiu alguma coisa na cabeça dele?

Na campanha.
Ah, não foi hoje?

Não.
Ah, eu não sei desse negócio de bolinha, não. Isso aí, olha, eu não vejo TV. Televisão, para mim, é trabalho. Só vejo filme. Agora que você ligou para mim eu estava vendo a Fontana di Trevi. Você já viu esse filme, "A Fonte dos Desejos" (de Jean Negulesco)? Eu estava vendo agora.

E essa informação de que o empresário Eike Batista quer comprar o SBT?
No duro?

É.
Ah, me arranja! Arranja para mim que eu te dou uma comissão.

O senhor venderia?
Se ele me pagar bem, por que não? Quem é? "Elque"?

Eike, um dos homens mais ricos do Brasil.
Ele é americano? Eike?

Brasileiro.
Não, não conheço.

Vivendo no buraco

O inglês Daily Mail fez uma matéria chocante sobre as pessoas que moram em dutos subterrâneos, bem abaixo do asfalto e das luzes brilhantes dos cassinos de Las Vegas. Sinais da crise.

João Bosco e Yamandu


Ultimamente tenho escutado bastante João Bosco (em especial o disco ao vivo de 1983) e acabei esbarrando com essa versão aditivada de Linha de Passe com a participação de Yamandu Costa arrasando no violão de sete cordas. A música é mais uma pérola da parceira Bosco & Aldir Blanc (também Paulo Emílio).

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Silvio sem noção


Mais uma prova da senilidade do octagenário homem do baú. Silvio Santos, o nome mais sujo do Serasa, fez "balança caixão" com a Hebe, de 81 anos!

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

40 anos de Kraftwerk


Show do Kraftwerk, em 1970. Nessa época o grupo já fazia música eletrônica, ou o que seriam as bases dela. Nos últimos 40 anos a banda se firmou e hoje é considerada uma das mais influentes da segunda metade do século XX. Suas letras lidam com a vida urbana e a tecnologia europeia do pós-guerra

Documento Especial: Vila Mimosa





Quando a tela da  TV ficava com um fundo vermelho e subiam créditos desaconselhando a presença de crianças e pessoas sensíveis na sala era a senha: vai começar Documento Especial. O aviso estava correto. Com o subtítulo  Televisão Verdade, o jornalístico de Nelson Hoineff foi tão cruel quanto um espelho. Em cerca de sete anos de existência (exibido na Manchete, SBT e Bandeirantes) o programa levou para milhares de lares brasileiros o submundo do sexo, drogas, violência urbana, prostituição, pichadores, neonazistas e miseráveis. Sem pudores ou meias palavras. 



Nesse programa, o tema era a Vila Mimosa, antiga zona de prostituição carioca. 

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

A vitória da Dilma na visão do Meia Hora

Soninha não soube perder


Após a votação, Soninha Francine, assessora para a internet da campanha de Serra, e Emídio de Souza, prefeito de Osasco (SP) foram a TV Terra discutir o baixo nível adotado no segundo turno da campanha eleitoral. Com a cara lavada de cinismo, a ex-VJ da MTV negou que o PSDB tenha promovido baixarias na internet. Só pode ser piada! 

sábado, 30 de outubro de 2010

A felicidade do Jabor



Saiu no Globo de hoje uma análise (com cara de desabafo) do Zuenir Ventura sobre A Suprema Felicidade, de Arnaldo Jabor. Zuenir aproveita para dar umas alfinetadas bem dadas no crápula do Jabor.


A felicidade do Jabor

Gosto de Arnaldo Jabor ao ponto e até mal passado — desde a Urca dos anos 60, quando fomos vizinhos. Lá ele já exercitava seu espírito fraterno. Um dia parou com uma Kombi na porta de casa, me apanhou e fomos recolher colchões e roupas para os desabrigados da grande enchente de 1966 acampados na PUC. Corta, e vinte anos depois eu presenciava como enviado especial do "Jornal do Brasil" o seu sucesso em Cannes com "Eu sei que vou te amar", que consagrou Fernandinha Torres como a melhor atriz do festival. Fui testemunha desse momento de glória do cinema brasileiro. Apesar de difícil (um casal discutindo a relação como numa psicanálise), o filme teve surpreendente bilheteria.

Mas Jabor continuava com dificuldades financeiras. Bem antes, em meados dos anos 70, ele apareceu na sucursal da revista "Visão", de cuja redação eu era chefe, para pedir uma colaboração (um freelance) porque estava necessitando de grana. O Aeroporto Tom Jobim se encontrava em obras, e eu, na maldade, achei que uma reportagem ali, em pleno verão, seria um bom teste para um candidato a foca. Cineasta já respeitado, ele passou a tarde na pista, com um sol de 50 graus, e trouxe uma matéria impecável, sem dar um pio, e na maior humildade — que não é sua principal virtude. Até hoje ele diz que foi seu "primeiro frila" e eu minto dizendo que ele aprendeu jornalismo comigo. Em 1994, escolhi como epígrafe de meu livro "Cidade partida" uma frase sua: "O Rio é o trailer do Brasil."

Tudo isso me voltou à lembrança pela viagem que realizei vendo o seu "Felicidade suprema", delicado, terno, cativante. É um filme completamente diferente do Jabor de que menos gosto, o destes últimos tempos — o Jabor enragé, salvacionista, anunciando o apocalipse se não for feita sua vontade política. É o militante panfletário que convoca os jornalistas para embarcar na sua cruzada, como se, em vez de testemunhas, devêssemos ser cabos eleitorais. Depois, frustrado, ele se deprime, sofre e somatiza o sofrimento, parecendo que o país, o mundo e até ele vão acabar. Outro dia, após uma dessas profecias terminais, um amigo comum comentou, meio à brinca e meio a sério: "Tou com medo do Jabor se suicidar." Quando soube disso, o também cineasta Cacá Diegues, que o considera como um irmão, tranquilizou: "Não tem o menor perigo. Jabor gosta demais dele mesmo." É verdade. Mas para que o diretor de "Suprema felicidade" seja feliz no Brasil de hoje, não apenas no do passado, ele está precisando ouvir a lição do avô, sábio personagem interpretado por um genial Marco Nanini: "A vida gosta de quem gosta dela."

O Jornalismo Literário vai à guerra


Chegou ontem nas livrarias o interessante A Vida Secreta das Guerras, de Peter Beaumont. Neste relato pouco usual, Beaumont, jornalista e correspondente internacional do Observer, mostra como a privatização dos conflitos bélicos por pequenos grupos armados e a fragmentação de Estados nacionais instáveis transformaram a guerra em um modo de vida.

Para retratar essas sociedades em que a guerra é endêmica, o autor leva o leitor às engrenagens cotidianas do conflito: o sofrimento dos civis e combatentes, o dia a dia dos embates. No processo, Beaumont descreve encontros aterrorizantes, que só alguém que penetrou a fundo no território “inimigo” poderia realizar, como um plano secreto da Al Qaeda atacar Londres ou o refúgio bombardeado do mullah Omar.O livro faz parte da Coleção Jornalismo Literário da Companhia das Letras, e custa R$ 49.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

O outro Woodstock


Enquanto os hippies curtiam "três dias de paz e amor” em Woodstock, um outro festival igualmente importante acontecia no Harlem, em Nova Iorque. O Harlem Cultural Festival, que ficou conhecido como Black Woodstock, foi uma série de concertos no verão de 1969. Por lá passaram grandes nomes da música negra norte-americana: B.B. King, Nina Simone, Stevie Wonder, Sly & the Family Stone, Mahalia Jackson, Gladys Knight e o jazzista Mongo Santamaria tocaram para um público de 100 mil pessoas.

O evento foi uma mistura de show de rock, encontro religioso e palanque pelos direitos civis da comunidade negra. Com o Black Power em alta, a mensagem predominante era de que chegara a hora dos negros tomarem o poder pelas próprias mãos e construirem seu destino.




Uma das cenas mais marcantes do Harlem Cultural Festival foi a apresentação de Nina Simone, cantando Ain't Got No / I Got Life, música que virou um verdadeiro hino de liberdade. Infelizmente, nenhuma emissora de TV ou estúdio se interessaram pelo Festival e nada mais foi exibido desde então. O show de Nina Simone é uma exceção porque fez parte de um documentário da cantora. A maior parte das 50 horas de gravação continuam inéditas até hoje.

100 anos de Adoniran Barbosa

Certos atores ficam marcados por um único personagem e levam a vida toda para se livrar dele. Não foi o caso do ator, humorista e compositor João Rubinato, que se sentia tão a vontade sendo Adoniran Barbosa que fez dele uma extensão de sua própria personalidade. Adoniran surgiu como um tipo cômico, mistura de caipira com caricatos trejeitos italianos que ele criou quando trabalhava na rádio. Rubinato encarnou o personagem na vida real e fez de Adoniran Barbosa o inventor do samba paulista. Se estivesse por aí o compositor de Saudosa Maloca, Tiro ao Álvaro e Trem das Onze estaria fazendo 100 anos. Para lembrar dessa figura antológica, catei um trecho do especial da Elis Regina, de 1978, onde ela e Adoniran aparecem batucando sambas, jogando conversa fora em um boteco no Bexiga.   

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

O caso Amaury Ribeiro respinga em FHC


O jornalista Amaury Ribeiro Jr., que vem sendo acusado por parte da imprensa como o responsável pela quebra de sigilo fiscal de Serra e seus aliados, agora traz à baila uma nova denúncia, dessa vez envolvendo o nome do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Após depor na Polícia Federal, Ribeiro apresentou documentos que comprovam o pagamento de propina durante o processo de privatizações de FHC.

Dançando com as mãos


A velha arte do sapateado saiu dos pés e foi para as mãos.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

O Brasil depois de Lula



Os oito anos do governo Lula chegam ao fim e a Piauí trouxe uma interessante análise sobre seu legado para o Brasil.  O artigo compara os feitos do presidente ao New Deal americano, programa de recuperação econômica  implementado pelo governo Roosevelt que fez uma verdadeira reforma diminuindo as desigualdades sociais nos Estados Unidos após a Grande Depressão. A análise é bem otimista quanto ao futuro brasileiro, vamos torcer pra que tudo dê certo! Leia aqui na íntegra. 


"Conjunto de programas iniciados na primeira Presidência de Franklin D. Roosevelt para fazer frente à crise de 1929, o New Deal permitiu um salto na qualidade de vida dos pobres e propiciou maior igualdade entre os cidadãos americanos. Ter instaurado tal ambiente é um legado dos dois mandatos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele pode moldar o “marco regulatório”, para usar uma expressão do mundo jurídico, no qual ocorrerão as próximas disputas eleitorais. Isto é, partidos e candidatos divergirão quanto aos meios, mas os fins estão fixados de antemão.

Nesse caso, as eleições brasileiras de 2002 e 2006 poderão ser vistas, no futuro, como o início de um longo ciclo político, semelhante ao que aconteceu com as vitórias de Roosevelt em 1932 e 1936. Na primeira eleição (1932, 2002), formou-se uma nova maioria. Na segunda (1936, 2006), em uma votação de continuidade, a coalizão majoritária se manteve, mas com uma troca de posição importante no apoio ao presidente. Em ambos os casos (Roosevelt, Lula), a troca de apoio decorreu da política levada a cabo no primeiro mandato: a classe média se afastou do presidente, mas eleitores pobres tomaram o seu lugar.

Durante a vigência do ciclo, é possível até haver troca de partidos no poder. Foi o que ocorreu em 1952 e 1956, com a vitória republicana. Mas ela não implicou abandono dos grandes objetivos nacionais: a diminuição da pobreza e o incremento da igualdade. De acordo com o cientista político John Berg, as eleições de realinhamento “têm o potencial de definir um novo tipo de política, um novo conjunto de clivagens, que pode durar décadas”."



terça-feira, 26 de outubro de 2010

Samba da Bolinha de Papel


No partido alto, Tantinho da Mangueira diz: "Deixa de ser enganador/ Foi  bolinha de papel/ Não fere nem causa dor". Genial!

Que falta faz um Drummond


Especial sobre Carlos Drummond de Andrade que passou no Arquivo N, da Globo News, na época em que se recordava os 20 anos de sua morte. O programa tem entrevistas deliciosas com o poeta. Drummond fala com muita informalidade sobre poemas, seu trabalho como servidor público e revela um lado gozador pouco conhecido. A sabedoria e a poesia do poeta fazem uma tremenda falta nos tempos atuais.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Santo do pau oco

No vale-tudo que tem sido a campanha eleitoral, o candidato José Serra apela até para as instâncias superiores na busca pelo poder. A matéria da Isto É denuncia as baixarias do tucano usando a fé para conquistar votos.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

O olhar feminino na MPB


Já falei aqui outras vezes sobre o ótimo programa História Sexual da MPB, que vai ao ar quarta-feira, meia-noite, no Canal Brasil. Nesse episódio da nova temporada o foco da vez são as compositoras.
As poucas mulheres que ousavam compor nos anos 50 escreviam letras sofridas, de esposas traídas e amélias cheias de culpa. O panorama só mudaria na década seguinte, quando as vozes femininas se levantaram contra o machismo e novos talentos foram revelados.

Serra, um fingidor


A Globo está fazendo da bolinha de papel uma fita banana... Dessa vez eles chamaram o perito Ricardo Molina para analisar o objeto que deixou o candidato José Serra 24 horas de molho. No final o perito enche a boca pra dizer que o dano foi provocado por um ROLINHO DE DUREX. Ah, tá! Agora sim justifica o exame de ressonância magnética.

Frase pinçada do Twitter:
"Lula perdeu o dedo, Dilma venceu o câncer. Serra leva uma bolinha de papel e pede uma tomografia..."

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

"And the Oscar goes to... José Serra"


A agressão sofrida por José Serra, ferido com uma BOLINHA DE PAPEL(!!!!!), não causou lesões no candidato. Ontem mesmo, Serra foi levado de helicóptero para uma clínica carioca, onde fez uma tomografia computadorizada.
Hoje pela manhã, recuperado da tonteira provocada pela BOLINHA DE PAPEL, o candidato comentou em seu Twitter: "Muito obrigado a todos vocês que se preocuparam comigo. Estou bem, mas por recomendação médica tive que parar por 24hs".


O SBT, no vídeo aí em cima, deixou claro o rídiculo do episódio. Já a Globo noticiou a matéria um pouquinho diferente. Hummm, sinto cheiro de oportunismo no ar...

Facebook x Orkut


Quem ganha essa disputa?

Palavra da moda

Saiu no Terra Magazine uma matéria interessante analisando os vernáculos que a imprensa nacional pega pelo rabo e viram moda. A última foi "resgatista", em função do episódio dos mineiros no Chile. O barato é que a palavra nem existe! Como diria o Cléber Machado: "Pode, Arnaldo?"

Elza Soares: a voz do samba


O furacão Elza Soares dá o seu recado nesse programa Ensaio de 1973. Entre um sucesso e outro, a cantora relembra os tempos de sufoco. Elza tem uma história de vida rocambolesca, cheia de altos e baixos. Mesmo sem citar o calvário ao lado de Garrincha, já daria uma novela. Por exemplo, ela se casou pela primeira vez aos 12 anos e teve um filho; com 18 já era viúva e seu filho tinha falecido. Dureza.

Em 73 anos de vida e mais de 50 de carreira, Elza cantou samba em português até com Louis Armstrong e se apresentou nos principais palcos do mundo. Há dez anos, ela recebeu o maior reconhecimento de sua vida, quando a BBC de Londres lhe deu o prêmio de "Melhor Cantora do Milênio".

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Vinicius de Moraes, 97 anos


"É melhor ser alegre que ser triste
Alegria é a melhor coisa que existe
É assim como a luz no coração"

Talvez estes versos sejam os que melhor traduzem a vida intensa do poeta e diplomata Vinicius de Moraes, o branco mais preto do Brasil, na linha direta de Xangô, saravá!

O curta que acompanha a postagem foi dirigido pelo amigo e romancista Fernando Sabino e faz parte da série Encontro Marcado. Coisa fina!

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Os ETs brasileiros me envergonham

Essa semana a Isto É despiu um mito. O ET de Varginha, o primeiro e mais popular extraterrestre nacional não passou de um mal entendido. Não quero mandar spoiler sobre o que ele era, é melhor você ler a matéria no site da Isto É. Tá uma coisa de louco essa revelação!

Mas o povo brasileiro não se fez de rogado e acabou de fazer contato com outro ser de outro planeta. Bilú é o acanhado ET adolescente descoberto pelas lentes da TV Record.
É, meus amigos, caiu um mito e nasceu outro em seu lugar!


Vamos ver quanto tempo demora para esse ser desmascarado...

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Por onde anda FHC?

"Fernando Henrique Cardoso é hoje um velho solitário de Higienópolis, por onde zanza, esquecido, entre moradores indiferentes. Pelas ruas do nobre bairro paulistano, FHC nem curiosidade mais desperta nos transeuntes, embora muitos deles o aceitem como mau professor da aula magna do neoliberalismo ainda ensaiada, agora em ritmo de Marcha sobre Roma, pelo candidato José Serra, herdeiro político a quem despreza."
O resto do sarrafo está na Carta Capital.

Super-Cafajeste


Lois Lane descobre a identidade secreta do Super-Homem. No filme, um super-beijo apagou a memória de Lois, mas não convenceu. Esse final seria mais digno da Lei de Gérson.

Primeiro chileno resgatado da mina - Foto inédita!

Como dá pra ver, o mineiro passa bem.

"Soccer is against God"


O nível da paranóia caipira norte-americana anda nas nuvens. Na busca por um bode expiatório para suas desgraças terrenas, sobrou até para o futebol, quem diria?!

"God gave you two legs. He also gave you two arms, and two hands, and ten fingers, and two elbows. Why did he gives those to you? He given to you, to use!... That's not a game. I don't know what it's, but can call it sport. Let's look who plays soccer: europeans, negroes (not american negroes, but europeans negroes), mexicans, central americans from 'euroguay'... whatever... mexicans from Brazil, mexicans from Porto Rico, mexicans from all over... playing the satanic game".

O motivo da bronca:
"Because it's all part of Barak Osama Homo bin Laden's plot to install socialism on our shores".


Que comédia!

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Propaganda de alcova


Motéis com anúncios bem safadinhos. Tem mais aqui.

Simpsons por Banksy


O artista plástico britânico conhecido como Banksy criou uma abertura polêmica para o desenho Os Simpsons. A passagem foi baseada na notícia de que a maior parte da animação da série é terceirizada na Coreia do Sul.  

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Buracos trocados


A Trip publicou uma matéria muito louca, apresentando um casal que comandou a maior produtora de filmes pornô bizarros do Brasil e hoje leva uma vida pacata furando poços artesianos no interior de São Paulo. O repórter Fausto Salvadori acertou em cheio no tom, sabendo lidar com sutil ironia o absurdo do tema. 


"A Robert Hill exigia cenas com tudo que parecesse estranho, diferente ou anormal. No estúdio de Marcos e Poliana, travestis dividiam espaço com anões, grávidas, hermafroditas, gordas de 150 kg, amputados, vovós-prostitutas do parque da Luz... Gente como Erick Bell, selecionado em meio aos cadeirantes que vendiam canetas num semáforo da Barra Funda, que ficou surpreso ao saber que seria pago para transar com mulheres bonitas. "Vi o cara no semáforo e pensei: ‘Ele não tem os dois pés, que lindo!'", lembra Poliana."

Leia aqui na íntegra .

Cachorrada


Esse cachorro quase vale por uma diarista. Impressionante!

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Luiz Caldas, o metaleiro

O Rei do Axé, Luiz Caldas, está de volta, agora em versão "pauleira". O sacolejante e eternamente descalço Luiz Caldas, que em 1989 fez sucesso com Fricote e Tieta, hoje, aos 47 anos, está todo rabiscado com tatuagens e faz o show Maldição, cujo palco lembra um cemitério. Moço eclético!

T-shirt maneiríssima!


A cena hilária faz parte do programa Funny Or Die Presents, que passa sexta-feira na HBO. A série é baseada no site Funny Or Die criado pela dupla Will Ferrel e Adam Mckay, uma parceria que começou no Saturday Night Live.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

+ Trapalhões


Alguns dos melhores momentos do grupo: Didi sendo porteiro de motel! Hoje em dia, o quadro seria impensável, mas naquele tempo Os Trapalhões eram desajustados, mulherengos, ganânciosos e, por isso mesmo, muito engraçados.



Mussum armando uma pindureta: um dos mais engraçados.



Outra cena clássica. Voyerismo atrapalhado.

Tem mais das melhores cenas dos Trapalhões aqui.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Ô da poltrona, Didi Mocó fez 50 anos


Há 50 anos nasceu um dos maiores palhaços da TV brasileira. Mesmo sem maquiagem, Didi Mocó Sonrisépio Colesterol Novalgino Mufumbo alegrou gerações que acompanharam Os Trapalhões, todo domingo, entre 18h e 19h. Minha lembrança do Didi é dos anos 80, quando ele, Dedé, Mussum e Zacarias estavam na Globo e o programa era hilário.

Algum fã mais ardoroso colocou algumas das frases clássicas do Didi no Wikipédia. Aqui vai só uma palhinha:

* Ô psit! (sua frase mais famosa; em raras ocasiões Didi também usava Psita, para mulheres ou supostos homossexuais)

* Nem morta, filha! (recusando-se a realizar alguma ação)

* Dá licença, caiu algo aqui no chão... (sempre quando queria conversar com alguém em particular, no meio de outras pessoas, Didi atirava intencionalmente um objeto no chão, dizia a frase e puxava a pessoa para falar)

* Tudo em riba (em cima)?

* Ô da poltrona! (dirigindo-se ao telespectador)

* Quieto, quem chumbar levará mexe! (Quieto, quem mexer levará chumbo! -- ao ameaçar algúem com uma arma de fogo)

* Âh, âh, âh! (gritando assustado)

* Circulando, circulando! (ao fugir de alguma má situação)

* É fria! (idem)

* Bicho bão! (mulheres bonitas)

* Tesouro! (idem)

* Cuma? (Como?)

* Arô? Sô ieu.(Alô? Sou eu) (Ao atender o telefone. Didi sempre passa o telefone pelo rosto, pensando que a outra pessoa o verá)

* Assôôô! (Achou! -- quando alguém que o estava procurando o encontrava) 

Fantasia para o Halloween

                                          Achei foda!

O melhor retrato da campanha eleitoral 2010

Foto: André Coelho/O Globo

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Tony Curtis, 85 anos



Ele era charmoso, bonito e um grande astro, mas quando atuava, Tony Curtis tinha uma queda pelos desclassificados. Ele será sempre lembrado pelo ótimo Quanto Mais Quente Melhor e outras comédias, mas suas melhores atuações foram em papéis dramáticos. Como em A Embriaguez do Sucesso (1957). Poucos filmes capturaram tão bem a corrupção em diálogos deliciosamente sórdidos, bares enfumaçados e criaturas venenosas. Curtis faz Sidney Falco, um assessor de imprensa mesquinho e bajulador capaz de tudo para agradar um poderoso colunista vivido por Burt Lancaster. Curtis está sensacional, no que para muitos foi seu melhor papel.



Ele se descatou também em O Homem Que Odiava as Mulheres (1968) -- um título misógino para The Boston Strangler, no original. Para interpretar o serial killer Albert DeSalvo, Curtis tingiu o cabelo, usou lentes de contato para escurecer os olhos azuis e engordou alguns quilos. Mas o que realmente impressiona é a densidade psicológica que empresta ao personagem. O filme soa datado, no entanto, vale conferir a brilhante performance do ator.



Weslian Roriz, a candidata desgovernada


Amor, carinho e assessores técnicos: assim pretende governar Weslian Roriz, esposa de Joaquim Roriz (PSC), que assumiu seu lugar após ele ser barrado pela Lei da Ficha Limpa. Weslian está em segundo lugar nas pesquisas e foi a atração do debate eleitoral da Globo. Olha o desembaraço da tia...

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Tiririca - o filio do Braziu

O maior picareta do Brasil no Festival do Rio


Sábado, dia 2, será exibido no Festival do Rio o aguardado documentário Vips - Histórias Reais de um Mentiroso, de Mariana Caltabiano. O filme mostra as falcatruas de Marcelo Nascimento da Rocha, considerado o maior picareta do Brasil, título que não é pra qualquer um!


Entre mil e uma armações ele se passou por filho do dono da Gol, guitarrista do Engenheiros do Havaii, olheiro da seleção, campeão de Jiu-jitsu, policial, piloto do narcotráfico e até líder do PCC. Além do documentário, suas histórias deram origem a um livro (de mesmo nome) e inspirou o filme VIPs, com Wagner Moura e direção de Toniko Melo, que já passou no Festival e deve estrear nos cinemas em março de 2011.

Rebeldia inédita

A LIFE publicou uma série de fotos inéditas, feitas em 1965, com um grupo de Hells Angels.

"De Jesse James a Tony Soprano, os foras da lei sempre ocuparam um lugar ambíguo no imaginário popular dos Estados Unidos: temos medo e nojo de seu apetite por violência, ainda assim, nós invejamos e cobiçamos sua liberdade. No começo de 1965, o fotógrafo da Life Bill Ray e o escritor Joe Bride passaram várias semanas com uma quadrilha que, até hoje, personifica nossa esquizóide relação com a rebeldia : Hells Angels. Aqui, em uma galeria de fotografias nunca publicadas, Ray e Bride recordam seus dias e noites com Buzzard, Hambone, Big D, e outros anjos (e suas "senhoras") num momento em que o rugido de Harleys e a visão de motociclistas de cabelos compridos ainda era novo, estranho, e para a média, os cidadãos cumpridores da lei, simplesmente terrível."

Tem mais no site da LIFE.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Show de percussão


Nereu Gargalo do Trio Mocotó dá um show de percussão no programa do Jô. Pra quem não sabe, Nereu  está para o pandeiro como Jimmy Hendrix está para a guitarra. O vídeo foi uma descoberta do blog Tocando Pandeiro!, da minha amiga e colaboradora de plantão Ana Luisa. Valeu, Aninha!

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Geraldo Vandré, o último exilado

Após um longo isolamento de 40 anos, Geraldo Vandré quebrou o silêncio. O homem mais solitário da MPB foi entrevistado por Geneton Moraes Neto para a Globo News. Ele abandonou o mundo artístico e vive hoje com os rendimentos de servidor aposentado da extinta Sunab (Superintendência Nacional do Abastecimento).
 
Mas mesmo afastado sua vida continua cercada de mistério. Há quem diga que durante a ditadura ele foi perseguido, sofreu tortura e foi castrado. Vandré, porém, nega essa e outras versões para sua história. E surpreende ao se mostrar um aficionado pela Aeronáutica, tendo inclusive escrito a canção Fabiana em homenagem à FAB.


sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Rap de nerd

As 25 melhores lojas de vinil dos USA

O site da Rolling Stone americana fez uma matéria bem interessante com as 25 melhores lojas de discos dos Estados Unidos. Boa parte delas se tornou local de peregrinação para colecionadores e saudosistas em busca de uma sonoridade analógica. Algumas estão em bom estado, outras possuem um indisfarçável ar de decadência.